LORE: Nedes, a civilização perdida

Quando chegamos pela primeira vez em Craglorn, esta parte do que em épocas anteriores foi conhecida como Deathlands ou “Terras Mortais” (atual Hammerfell), em meio às construções da atual cultura Redguard pode-se encontrar várias ruínas de pedra, ricamente trabalhadas em baixo relevo e com motivos quase sempre relacionados a serpentes. Estas ruínas são o que sobrou da cultura Nédica que teve em Craglorn seu maior centro e o último legado até a sua extinção frente à invasão dos Redguards vindos de Yokodan (Ra Gada).

Os Nedes (também conhecido como os povos Nédicos) Foram uma raça humana de origem desconhecida, que habitaram grande parte Tamriel durante as Eras Merethica e Primeira. Sua sociedade em grande parte girava em torno do estudo das constelações e adoração de suas representações iconográficas conhecidas como os Celestiais. A cultura Nédica experimentou um declínio acentuado ao longo de vários séculos quando começaram a ser assimilados por outras culturas, até ser completamente exterminada pela invasão Yokudan dos Deathlands.

Embora as origens dos Nedes sejam muito debatidas, a teoria mais aceita é que eles vieram de Atmora em muitas ondas (anteriores à chegada de Ysgramor), e depois de chegarem naquela que é hoje Skyrim eles logo começaram a se espalhar durante a maior parte de Tamriel. Os primeiros vestígios conhecidos da presença humana em Tamriel foram datados em torno da metade da Era Merethica (cerca do ano 1000 dessa era).

Enquanto os Nedes habitaram várias das atuais modernas províncias de Tamriel, foi nos ermos banhados pelo sol de Hammerfell, conhecidos como os Deathlands, que a civilização Nédica verdadeiramente prosperou. Nas Deathlands os Nedes enfrentaram inúmeras invasões estrangeiras, incluindo tanto Ayleids como Dwemer, que descreviam-os como selvagens para justificar sua subjugação. Os Nedes também estiveram constantemente em conflito com seus vizinhos, os primitivos adoradores de rochas “Orcs de Ferro” (Iron Orcs).

Apesar destes conflitos frequentes, a cultura Nédica prosperou por séculos nas Deathlands. Os Nedes eram conhecidos por ser hábeis em alvenaria, com as suas cidades movimentadas construídas em grande parte da pedra. No entanto, pouco dessa pedra permanece, como o que não foi completamente destruído pelo invasor Ra Gada, foi muitas vezes apropriado e modificado para além do reconhecimento. Enquanto os Nedes eram conhecidos por serem adoradores devotos das estrelas e constelações, durante a invasão Yokudan suas orações ficaram sem resposta e muitos olharam para outras fontes de salvação. Isso lhes fez pouco bem e os Nedes caíram rapidamente para a horda Yokudan, desaparecendo do Deathlands para sempre.

Em muitos lugares de Tamriel os Nedes existiam como uma minoria e não tinham escolha além da de coexistir relativamente pacificamente com elfos, muitas vezes em uma posição subordinada. Esses Nedes que se estabeleceram na High Rock depararam-se com a altamente sofisticada cultura dos elfos Direnni e rapidamente tornaram-se vassalos sob o domínio desses. Sob a hegemonia Direnni, os Nedes viveram na base de uma sociedade feudal estrita, com os nobres elfos posicionados no topo. Os Direnni desfrutavam de muitos privilégios sobre seus súditos humanos, incluindo o “Perquisite do coito”, o direito de se envolver em relações de lazer com qualquer nede de sua escolha.

Muitos Direnni levaram vantagem sobre isso e tomaram concubinas Nédicas, que muitas vezes resultaram no nascimento de filhos de raça mista que eram referidos como Manmer, ou “Bretons”. Enquanto os bretões não foram oficialmente reconhecidos como membros das casas nobres que eles descendiam, muitas vezes eles ocuparam posições sociais superiores aos do campesinato Nédico. Eventualmente este acordo foi formalizado com a criação de uma nova casta entre os elfos e os Nedes, em que o Bretons desfruta de uma posição confortável na sociedade, mas foram proibidos de se casar com Elfos, na tentativa de preservar a pureza élfica. Eventualmente, depois de gerações de cruzamento com os seus subordinados Nédicos os bretões foram completamente assimilados, inaugurando uma nova cultura com os de sangue élfico no topo. Na Primeira Era, o final da Hegemonia Direnni se originou sob ataque tanto pelos fanáticos da Ordem Alessiana eos Nords do estabelecido Reino de Skyrim. Embora os elfos tivessem conseguido repelir os invasores, eles ficaram aleijados e desmoralizados, e retiraram-se completamente para a Ilha de Balfiera, passando o controle sobre a região para os bretões.
Se as relações entre os Nedes e os Direnni foramem cordiais, embora um pouco desequilibrado, emcontramos, porém, muito sofrimento dos Nedes sob a tirania dos adoradores de daedras Ayleids. Os Ayleids comumente engendravam ataques em terras Nédicas, escravizando aqueles a quem capturaram. Uma vez em terras Ayleid os Nedes eram postos em cativeiro junto com membros de várias outras raças humanas, forçados a desenvolver uma variedade de trabalhos braçais, como a agricultura e manutenção de infraestrutura. Nos reinos Ayleid sob a opressão dos mais malévolos príncipes de Oblivion, os escravos humanos foram submetidos a crueldades horríveis. No ano 242 da 1ª Era, a Rainha Escrava Alessia liderou uma rebelião contra os senhores de escravos Ayleid, resultando na emancipação de todos os escravos dentro do Império Ayleidic. Quando os escravos foram libertados, séculos de supressão Ayleidic e miceginação com outros grupos escravizados tinham reduzido enormemente a presença da cultura Nédica em Cyrodiil e tudo o que restou foram seus descendentes mestiços, os Imperials.

O Nedes também mantiveram uma presença no Skyrim, mas pouco se sabe sobre suas relações com os Falmer nativos ou os Atmorans que os substituíram. Acredita-se que os Nedes de Skyrim foram um povo mais primitivo do que os seus primos em outras terras, no entanto a sua habilidade em metalurgia era conhecido por ser bastante avançada. É registrado em textos Dunmeri que estes Nedes de Skyrim travaram pelo menos uma guerra sangrenta contra os antigos Chimer, causando a morte e destruição em massa antes de ser interrompido pelos chamados “Irmãos do Conflito” (Brothers of Strife), mas a um alto custo para os Chimer.

Teoriza-se que os Nedes já tiveram uma presença no Morrowind na Era Merethica e acredita-se também que as tribos indígenas de homens que viviam em Black Marsh (a Kothringi, Orma, Yerpest e Horwalli) poderiam ser de origem Nédica.

Ao longo dos séculos, vários eventos causaram o declinio da população Nedic de Tamriel, como quando os Cyro-Nords capturaram os portos Nédicos longo da “Costa Estridente” (Strident Coast – uma região um tanto desconhecida, presumivelmente em torno da Gold Coast de Cyrodiil e do litoral sul de Hammerfell). Por volta do século IX da Primeira Era, a cultura Nédica foi confinado aos desertos do Volenfell/Hammerfell.

No ano 808 da Primeira Era, o onda de guerreios Yokudans, o Ra Gada, chegou em terra firme em Tamriel. Sua chegada seria um golpe fatal para o Nedes. Os Ra Gada, sob a liderança do sádico Imperador Tarish-Zi, rapidamente invadiram a província, matando ou escravizando todos que cruzaram seus caminhos. Logo os Yokudans tinham desalojados os Nedes de todas as suas ocupações, restando apenas a remota região de Craglorn. Lá muitos Nedes amargurados pelo declínio da sua cultura começaram a recorrer a fontes de orientação espiritual que não mais apenas as estrelas. Isto também não trouxe resultados, quando os Ra Gada alcançam Craglorn e disperçam os Nedes tão rapidamente quanto haviam sido em outros locais. Após anos de luta, a cultura Nedic tinha finalmente encontrado seu fim.

Embora os Nedes deixassem de existir como um povo distinto, muito de sua cultura sobrevive nas sociedades dos seus descendentes. Mesmo em Hammerfell grande parte da religião Nédica, costumes e língua foram adotadas por seus algozes, os Redguards.

Fonte: http://www.uesp.net/wiki/Lore:Nede

5 1 vote
Avaliação Conteúdo
Subscribe
Notificar de
guest
3 Comentários
Recente
Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
BeckerBarabas
BeckerBarabas
4 anos atrás

boa leitura!

Pedro
Pedro
4 anos atrás

Muito bom mesmo, obrigado pela tradução!

welldias
welldias
4 anos atrás

Muito bom!