LORE: Aedra e Daedra

Veja para melhor entendimento: 9 Divindades de Nirn

AEDRA

Os Aedra (no singular, Aedroth) são um dos dois grupos de seres sobrenaturais que habitam o universo, ou Mundus. O nome tem origem na antiga língua Aldmerica, e que pode ser traduzido como “nossos ancestrais”. O termo se refere a um subconjunto de seres (chamados et’Eda, “espíritos originais”, em Aldmeri) que foram os habitantes originais do universo. O restante destes espíritos originais são amplamente referidos pelo nome Daedra, “não nossos ancestrais”, pelos habitantes mortais de Nirn. Ao contrário dos Daedra, os Aedra podem ser mortos, motivo pelo qual muitos os consideram não dignos de adoração. Para a maior parte dos habitantes de Tamriel, entretanto, os Aedra são reverenciados como deuses, e a eles é dado o nome coletivo de “Os Divinos”.

ORIGENS

A origem dos Aedra é sujeita a muitos e, frequentemente conflitantes, mitos de criação ao redor do planeta. A maior parte dos estudiosos, entretanto, aceita a variação do mito de criação Altmer como sendo o mais próximo da realidade e segue conforme veremos abaixo:
Antes da existência do próprio universo, havia Anu, a imutável estase. Para dentro desta estase veio Padomay (Sithis), o agente da mudança, e então o universo foi criado. Do caos da criação vieram os et’Eda, seres espirituais sem forma, que então habitaram o universo.

Todos os mitos de criação em Tamriel incluem o Aedra Akatosh de alguma forma, como o primeiro dos et’Eda a formar uma identidade, trazendo com ele o conceito de tempo. A existência do tempo ajudou outros et’Eda a formar suas próprias identidades, e logo haviam centenas de seres individuais. Um outro elemento comum em todos os mitos de criação é a presença de um ser “trapaceiro”, comumente chamado Lorkhan.

Após um indeterminado período de tempo, Lorkhan se aproxima de outros et’Eda com um projeto para criar um novo plano de existência, e então criar e popular este plano com seres inferiores feitos a sua própria imagem, que ele descreveu como sendo as “almas do universo”. Ele foi capaz de convencer um grupo entre os et’Eda a ajuda-lo em seu projeto, enquanto outros suspeitaram ser um truque ou simplesmente não mostraram interesse  se mantendo fora

DivaythFinal

 O projeto de Lorkhan foi executado, resultando na criação do plano mortal/planeta Nirn. Durante o processo, ficou claro para os outros Aedra que sua própria energia divina estava sendo drenada para ajudar a infundir com vida este mundo. Alguns Aedra procuraram escapar do mundo mortal, como Magnus, que foi inicialmente o arquiteto chefe no projeto de Lorkhan, mas rapidamente se vê descontente com o projeto de criação e foge. Como Magnus não está sujeito às leis de Nirn e nem a magia que dele flui, isso o torna capaz de violar as leis naturais e atravessar os planos de existência. Outros Aedra se afastaram do projeto de criação a tempo de manter algum grau de suas divindades, os mantendo presos a Nirn, mas ainda poderosos em relação aos mortais. Alguns Aedra continuaram a sacrificar sua divindade para finalizar a criação do planeta, os deixando enfraquecidos e incapazes de interagir diretamente com o mundo. O ultimo destes foi o próprio Lorkhan, comumente dito como morto e cujo corpo se tornou a massa física de Nirn. O que explica como o Coração de Lorkhan foi capaz de sobreviver em Tamriel por tanto tempo, já que foi literalmente parte da própria Nirn.

 

Um último grupo de Aedra continuou a enfraquecer, mesmo após compreender o que estava acontecendo. Estes seres entenderam que, para manter sua existência, seria necessário procriar e se perpetuar através de futuras gerações. Cada geração perdia mais e mais da divindade de seus ancestrais, até que se enfraqueceram ao ponto de se tornar seres mortais. Estes seres foram chamados Ehlnofey, os “ossos da terra”, e foram os primeiros habitantes de Nirn.Ganador_Aedra

Eventualmente, os Ehlnofey se dividiram em várias raças de homens e mer, que evoluíram com diferentes interpretações sobre o mito de criação. Os homens acreditam que foram criados por nada além dos et’Eda responsáveis por Nirn, considerando assim sua existência uma benção e Lorkhan um herói. Os mer creem ser os verdadeiros descendentes destes seres cuja imortalidade foi roubada por Lorkhan, a quem eles consideram um trapaceiro. Uma vez que os mer acreditam que tais seres sejam seus verdadeiros ancestrais, eles coletivamente os nomeiam Aedra, e qualquer espirito que não se manteve envolvido com a criação dos mortais fora chamado Daedra. Deixando de lado esta diferença fundamental de opinião, ambos homens e mer, em sua maioria, reverenciam os Aedra como seres divinos, e consideram os Daedra como criaturas demoníacas.

DAEDRA

Elder-Scrolls-Daedric-Art
Principes do Oblivion (por vezes referido como Daedra Lords) são os mais poderosos dos Daedra e, portanto, mais comumente adorados como divindades . Enquanto os Daedra pode se manifestar como macho ou fêmea (sendo na realidade genderless), todos estes high Daedra são geralmente referidos como “príncipes”.

Ao longo da série, um número de Princes Oblivion, junto com os outros deuses adorados , desempenham um papel importante nos acontecimentos da história principal do jogo. Ao todo, há dezesseis príncipes conhecidos (um príncipe “XVII”, Jyggalag , foi desenvolvido no linha de quests de Shivering Isles como a forma original do príncipe Sheogorath). Tal como acontece com todos os Daedra, os principes do oblivion operam em um plano de existência diferentes do plano dos seres humanos e outros mortais, e como tal, possuem um conceito incompreensível de “moralidade”, é por esta razão que nenhum dos príncipes do Oblivion podem ser considerados objetivamente “mal”. No entanto, alguns deles têm sido conhecidos por causar danos de forma consistente sobre os habitantes de Tamriel.

Cada Daedric Prince tem seu próprio plano de Oblivion .

ea4ef6bc468e0b54590794739f45a0dc

5 4 votes
Avaliação Conteúdo
Subscribe
Notificar de
guest
11 Comentários
Recente
Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
snowhammer
snowhammer
1 ano atrás

os mais famosos daedras são os filhos da puta

Dwemer
Dwemer
3 anos atrás

Jyggalag não foi criado na expansão de Oblivion, seu nome já era citado no livro “Em Oblivion”, que existe desde TES II: Daggerfall.

Dwemer
Dwemer
3 anos atrás

Aedra e Daedra já estão no plural.
Aedras e Daedras está errado, o singular é Aedroth e Daedroth

Hakkin
Hakkin
3 anos atrás

Mephala como uma Deusa Boa? Aonde? WTF?

Frooke
Admin
3 anos atrás
Reply to  Hakkin

se ta na internet é verdade kkkkkkkkkk XD mas é complicado mesmo, acho que depende do ponto de vista, alguns seguidores dela certamente não são bons

Gunllod
Gunllod
2 anos atrás
Reply to  Frooke

Você dizer isso , é praticamente dizer que todo o povo Dunmer é ruim kkkkkkkkkkkkkk

Frooke
Admin
2 anos atrás
Reply to  Gunllod

a maioria do povo Dunmer cultua o Tribunal

visitante
visitante
1 ano atrás
Reply to  Frooke

A Maioria do povo Dunmer é ruim! Sei que isso soa racista, mas na verdade é cultural, assim como Orsimers são bárbaros e Altmers são arrogantes, Dunmers são traiçoeiros… sorry!

Dwemer
Dwemer
3 anos atrás
Reply to  Hakkin

Para os Dunmer; Mephala, Azura e Boethiah são os tfês Daedra bons.

Dwemer
Dwemer
3 anos atrás
Reply to  Hakkin

Esses três tem essa fama de “bons”, por que eles são partes responsáveis para que um grupo de Chimer seguidores do profeta Velothi, saíssem de Alinor e migrassem para outro lugar: que na época chamava-se Resdayn (Morrowind, hoje) que era habitado pelos Dwemer.

Diego
Diego
2 anos atrás
Reply to  Hakkin

Tal como acontece com todos os Daedra, os principes do oblivion operam em um plano de existência diferentes do plano dos seres humanos e outros mortais, e como tal, possuem um conceito incompreensível de “moralidade”, é por esta razão que nenhum dos príncipes do Oblivion podem ser considerados objetivamente “mal”.